segunda-feira, 7 de setembro de 2009

JOE SHUSTER

Joe Shuster era parceiro de Jerry Siegel na criação de histórias em quadrinhos. No começo da década de 30, eles tinham um grande número de personagens sendo trabalhados, mas quando Siegel apresentou seu novo personagem - um homem de outro planeta inacreditavelmente forte cuja a identidade era secreta para os terrestres -, os dois largaram tudo que estavam fazendo para criarem a primeira aventura do Super-Homem.

"Eu estava inspirado", relembra Shuster, "Fiz os desenhos rapidamente. Nós chegamos ao uniforme do Super-Homem sem discusões: o primeiro já foi perfeito."
Havia outra razão para o lápis de Shuster se movimentar como que possuído: "Subconscientemente, como muitos artistas, eu desenhei um pouco do que eu gostaria de ser no Homem de Aço. Já que, assim como Jerry, eu era muito franzino e alimentava o sonho de ser poderoso e atlético".

Enquanto Siegel traçou a linha racional do Super-Homem, Shuster, sem dúvida alguma, lhe deu um coração. O olhar enviesado do Homem de Aço, o sorriso irônico depois de saltar gigantescos arranha-céus, a capa esvoaçante sobre suas costas - todos esses detalhes saltavam da prancheta de Shuster.

Em 1978, Shuster ficou surpreso e gratificado ao ver seu trabalho transferido para outro meio de comunicação. Quando "Super-Homem, o filme" estreou nos Estados Unidos, não havia ninguém mais feliz do que ele. Não apenas pela atuação de Christopher Reeve, mas, como Shuster mesmo disse: "eles conseguiram colocar no filme tudo que eu expressava visualmente nos quadrinhos do Super-Homem".


Eu conheço a imensidão do céu
Pássaro que sou,
Mergulharei de vez
Uma vez ou três.
Duzentos por hora, ou algo mais,
Na velocidade de encontrar você
Te merecer
Voar, sem ter onde chegar.
E de lá do céu
Formaremos dois em um só,
Fugirei da chuva,
Beijarei o sol.

Fonte: SUPER-HOMEM # 24 (JUNHO/1986)