segunda-feira, 7 de setembro de 2009

CHARADA

É fácil crer que o Charada é uma criatura de puro orgulho. Tão confiante em seu gênio que deixa para trás pistas e quebra-cabeças relacionados a seus crimes e desafia a polícia a solucioná-los. No entanto, haveria mais? Quando considero Edward Nigma, sou forçado a encarar a possibilidade de que a maior tragédia de sua infância foi a presença, não ausência, de seu pai. Há um relato de que Edward foi pego trapaceando quando menino.
Eu não pude aferir ao certo, mas, após reunir a pouca informação ainda disponível, tenho a suspeita de que o pai de Nigma puniu-o severamente e com extrema maldade por isto e insistiu numa coisa - que, a partir daquele momento, seu filho sempre falaria a verdade.
Então, se Edward foi forçado verbal e fisicamente, durante uma idade de rebelião pré-adolescente natural, a dizer toda a verdade, a despeito das consequências, qual seria o resultado?
Somente depois que seu pai morreu, Edward voltou-se para o crime. No entanto, seus crimes eram únicos. Ele deixava charadas que, se compreendidas, seriam uma admissão de culpa.
Poderiam estas pistas ser parte de uma compulsão para dizer a verdade? É uma reação à culpa? Talvez seja resultado do zelo de um pai cruel em criar um filho honesto.
Esta pode ser a tragédia do Charada.

DOS ARQUIVOS PARTICULARES DE BRUCE WAYNE NO BATCOMPUTADOR



Fonte: JUSTIÇA # 2 (ABRIL/2007)