terça-feira, 31 de março de 2009

INVASÃO SECRETA

Vamos falar sobre Leinil Francis Yu. Por que tirá-lo da série regular dos Novos Vingadores para desenhar Invasão Secreta?

BENDIS: Leinil oferece muito. Primeiro, acho que ele simplesmente detona na ação em NV, mas também manda muito bem com uma mistura fascinante de super-heróis e mistério noir. É uma revista bem sombria, e vende tão bem que é quase um choque pra mim. Esse é o tom perfeito pro que precisamos aqui. Ele é muito bom com esse visual conspiratório-de-olhar-implacável, e suas cenas com muitos personagens são fenomenais.
Apesar de haver outras pessoas na disputa pela série, Leinil terminou no topo por seu talento, em primeiro lugar, mas também pelo bônus de que a revista vai chegar ao público no prazo, mesmo as edições com páginas extras. Esta é uma vantagem enorme porque temos as tais revelações, as quais precisam chegar na hora por causa das interligações com outras revistas.


Anjos intervêm na hora oportuna

As pessoas que fazem parte de nosso dia-a-dia podem nos dar importantes pistas sobre decisões que precisamos tomar.
É muito perigoso pedir um conselho. É muito arriscado dar um conselho. Se precisarmos de ajuda, é melhor ver como as outras pessoas resolvem – ou não resolvem – seus problemas.
Nosso anjo está sempre presente e muitas vezes usa os lábios de alguém para nos dizer algo. Mas esta resposta nos vem de maneira casual, geralmente num momento em que – embora atentos – não deixamos que nossas preocupações turvem o milagre da vida.
Deixemos nosso anjo falar da maneira a que ele está acostumado – com espontaneidade e no momento em que ele julgue necessário. Os conselhos são a teoria da vida – e a prática, em geral, é muito difente.
21/01/96


segunda-feira, 30 de março de 2009

INVASÃO SECRETA

Você pode dizer neste momento, sem rodeios, que o Capitão não era um skrull?

BENDIS: sim, eu posso dizer isso e lhe digo porquê. Quando a Elektra-Skrull foi morta, ela se transformou assim que caiu no chão. Quando o Capitão América morreu, continuou sendo ele mesmo. Esse tipo de dica pode ajudar bastante.
O que eu disse na época (do anúncio da saga), e o que um monte de autores tem usado, é o fato dessa história ser uma daquelas boas, onde se pode ver coisas acontecendo de verdade, algumas vezes bem sutis, outras bem na nossa cara. Mas que sem o elemento-skrull seriam impossíveis de ser vistas. Agora você pode voltar e reler Novos Vingadores, reparando em pistas e dicas, porque elas estão bem ali. Tudo vem sendo preparado há anos. Isso é ótimo pra mim, que tenho uma neurose emocional no que diz respeito a pessoas comprando o que eu escrevo. Agora, o leitor tem uma boa desculpa pra ler meu material de novo e conseguir mais divertimento com ele, ou lê-lo em um contexto diferente. Ou seja, eles têm mais história por dólar gasto.


Sofrer só vale para ajudar os outros

O texto é adaptado de John Donne:
“Nenhum homem é uma ilha, completa em si mesma. Todo homem é um pedaço de continente, uma parte da terra firme. Se um torrão de terra for levado pelo mar, toda a Europa fica menor.”
“Por isso, o assassinato de qualquer homem me diminui, já que sou parte da humanidade. Ninguém passa por sacrifícios suficientes para chegar ao céu direto. A dificuldade da vida pode ser um tesouro por sua natureza, mas só pode ser usada como moeda corrente se servir para ajudar os outros.”
“Alguém pode estar agonizando neste momento, e todo o seu sofrimento jazer inútil aos pés de sua cama se não serviu de exemplo.”
10/01/96


domingo, 29 de março de 2009

Gates começou brincando

Diz a lenda que Silicon Valley (Califórnia, EUA), o centro da indústria da computação norte-americana, começou com dois garotos montando um computador numa garagem. De certa forma, foi isso mesmo.
Steve Jobs, fundador da Apple, construiu o primeiro Apple aos 21 anos, com seu amigo Steve Wozniak – num fundo de garagem.
Aos 19, Jobs já trabalhava na Atari. O ano era 74 – Bill Gates fundou a Microsoft no ano seguinte, aos 18, com seu amigo Paul Allen. Ele tinha escrito o primeiro programa de computador aos 13 anos.
Gates caiu fora da faculdade depois de fundar a Microsoft, que no começo era uma brincadeira. Nunca mais voltou a estudar.
“Parece que fomos uma geração inteira, no mundo todo, a arrastar conosco para a maturidade o nosso brinquedo predileto”, afirma Gates em seu livro, “A Estrada para o Futuro” (Companhia das Letras, 1995).
Mas, ao contrário do que Gates sugere, essa não foi uma tendência somente de sua geração. Milhares de garotos ainda reforçam o velho mito do nerd-prodígio que vive num abstrato de circuitos e equações. Algumas das melhores invenções da Internet – que depois do computador pessoal é a maior revolução da computação – são da autoria de quase adolescentes.
Marc Andreessen deu a partida quase sem querer na corrida do ouro da Internet, quando escreveu, em uma semana, o programa Mosaic.
Andreessen era estudante do National Center for Supercomputing Applications e tinha apenas 21 anos.
Menos famoso que ele é Eric Bina, que hoje tem 25 anos. Bina ajudou Andreessen a escrever o Mosaic.
Hoje, aos 24 anos, Andreessen é vice-presidente da Netscape, empresa que produz o programa de mesmo nome, presente em três quartos dos computadores que acessam a Internet.
Tão famoso e importante na Internet quanto o Netscape é o Yahoo! um índice de endereços visitado regularmente por quase todos os usuários da rede.
O Yahoo! também começou como uma brincadeira de estudantes. Jerry Yang e David Filo, hoje com 24 e 26 anos respectivamente, começaram a catalogar suas páginas preferidas num computador da Universidade de Stanford, em 1993.
O negócio cresceu muito e o Yahoo! foi copiado por centenas de sites, mas continua sendo o mais popular da Web.

Bill Gates (de pé) aos 13 anos (1968), ao lado de Paul Allen, um dos fundadores da Microsoft.

fonte: FOLHA DE SÃO PAULO - 21/10/1996 - folhateen

PROFESSOR X (Charles Francis Xavier)

Líder idealizador dos X-Men e um dos maiores telepatas da Terra, Charles Xavier manifestou seus poderes mentais ainda na infância. A partir daí, mergulhou nos estudos para entender a origem de suas habilidades especiais. Se formou em Biologia e Genética na Universidade de Oxford, onde conheceu Moira Mactaggert, com quem iniciou as pesquisas que levaram à descoberta do Gene X, a mutação no genoma humano que provoca os poderes dos mutantes. Nessa época, Moira e Xavier se apaixonaram, mas a relação não foi adiante.

Depois de formado, o telepata chegou a se alistar nas Forças Armadas e logo se desligou para viajar o mundo em busca de outros mutantes. No Cairo, conheceu o Rei das Sombras (Amahl Farouk), um mutante com poderes semelhantes aos seus, só que usados para o mal. Depois de vencer uma batalha contra Farouk, Xavier foi para Israel, onde conheceu Eric Magnus Lehnsherr, que mais tarde se transformaria em Magneto. Juntos os dois enfrentaram a organização terrorista HIDRA, mas o radicalismo de Magnus, que defendia uma dominação dos mutantes sobre os humanos, bateu de frente com a visão pacifica de Xavier. Isso fez com que os dois seguissem caminhos separados.

Numa viagem ao Tibet, Xavier encontrou o alienígena Lúcifer e, mais uma vez, colocou suas habilidades mentais à prova. Mas, dessa vez, a vitória custou a mobilidade de suas pernas, esmagadas por uma rocha.

De volta aos Estados Unidos, Xavier percebeu o crescente preconceito contra os mutantes. Era hora de agir. Com a herança de sua família, transformou sua antiga mansão no Instituto Xavier para jovens superdotados, na verdade uma escola para mutantes.

Entre os poderes do Professor X, está a capacidade de ler mentes, se comunicar telepaticamente, manipular ou apagar memórias e sensações. Além disso, pode controlar ações de pessoas aos seu redor, criar ilusões, induzir mentalmente a estados de dor, paralisia ou até inconsciência e projetar sua forma astral, um fantasma capaz de cobrir distâncias com a velocidade do pensamento.


Professor X

Fonte: Mundo dos Super-Heróis # 4 (Abril/Maio de 2007)


No Amor, nem tudo que parece é

O maior problema da Lebre é ser algo totalmente diferente do que é, gerando a sensação de que quem a conquista, comprou gato por lebre. De espírito gregário, gosta de estar cercada de gente, mas é ao mesmo tempo retraída e reservada. Isso se reflete claramente no amor. Deseja estar com alguém, mas tem necessidade absoluta de privacidade e de que respeitem seu espaço. Sua visão de amor é romântica e estilizada, como uma velha página de contos de fadas. Tem dificuldades de mostrar o que sente, especialmente quando se aborrece, pois é sempre gentil, esperando que seu par leia seus pensamentos e adivinhe o que fez de errado. Como são poucos os paranormais no mundo, a Lebre acaba ficando cada vez mais irritada até calar-se ou ficar amuada, sem que seu par saiba porque.
A individualidade da Lebre afasta-a de compromissos, mas ela sabe honrá-los como ninguém. Uma vez que se decide, a Lebre será uma companheira divertida e fiel. A mais leve sombra de dúvida faz a Lebre recusar-se a embarcar num casamento. Quando a Lebre se casa, no entanto, é muitíssimo exigente. Sua exigência aliada a suas maluquices acabam fazendo seu par arrepender-se com o tempo.

Quais foram o primeiro e o último mutante dos X-Men?

Imagine uma novela com 31 anos de duração, mais de 150 personagens e reviravoltas a todo momento. Assim pode ser (muito) resumida a história dos X-Men nos quadrinhos. Desde que eles surgiram, foram incontáveis mutantes entrando e saindo.
Oficialmente, o primeiro X-Man recrutado por Charles Xavier foi Scott Summers, o Ciclope. E os mais recentes a ostentar o “X” no uniforme foram Fanático (um ex-inimigo dos heróis), Joshua Guthrie e Melody.
Para se ter uma ideia da grandiosidade que as histórias tomaram, basta dizer que seus personagens geraram centenas de novas revistas, incluindo títulos mensais, minisséries e edições especiais. Confira algumas delas: Novos Mutantes, X-Force, Geração X, Excalibur, X-Táticos, Extreme X-Men, X-Factor, Exilados, Piratas Siderais, Arma X, Wolverine, Cable, X-Man, Mutante X, Bishop, Gambit, Deadpool...

Fanático

Fonte: Coleção 100 Respostas - Super-Heróis (Mundo Estranho) 2004

INVASÃO SECRETA

Um pouco além do aspecto criativo da história, quanto dela vai ser usada para jogar fora o que não funciona mais? Vai acontecer algo como “bagunçamos demais com Tony Stark. O Homem de Ferro vai ser um skrull.”?

BENDIS: não. O maior erro que se pode cometer com uma história dessas – e isso se aplica a Dinastia M também – é apagar as coisas. Decidimos que a história deveria ser forte independentemente de quem é ou não skrull. Escolhemos quem seriam, e é isso – acabou. Essa é a ordem mesmo pros outros roteiristas. Mesmo pra eles, que sabem quem é skrull, porque se começam com essa história de “todo título tem um skrull” fica sem graça, é tudo dissolvido: fica tudo uma #$@!*, basicamente. Escolhemos quem seriam os invasores uns dois anos antes da série.
Então, sem saídas fáceis. Quero dizer, sobre o que você falou de Stark, o fascinante é que isso não precisa de conserto. Amo o fato de ele estar piorando a situação pra todo mundo nas revistas. É a reação correta. Ele é interessante e tem um ponto de vista singular. Tony aparece em todos os títulos agora! É como um novo Wolverine. Toda a interação com ele é fascinante.

Você já está se preparando para alguma mudança que sabe que será considerada controversa?

BENDIS: ah, sim, tem duas. Tem uma coisa que eu aprendi: qualquer revelação que eu faça deixa um pessoal nervoso e outro dizendo: “imagina”. E logo depois alguém exclama: “caraca! Não acredito que você fez isso”. E então: "ah, eu já sabia”. Eu sei qual das revelações mal posso esperar pra revelar, mas não sei qual das duas vai ter uma maior reação. É difícil dizer.

Saber curar é o maior poder

Buda encontrou o bandido Angulimal no meio da estrada.
“Comentam que o senhor é um sábio”, disse Angulimal. “Vim aqui para provar que sou mais poderoso: vou matá-lo.”
“Antes de morrer, quero ver o seu poder”, respondeu Buda. “Corte o galho desta árvore.”
Um só golpe da espada e o galho estava no chão.
“Agora recoloque o galho na árvore”, disse Buda.
“O senhor é maluco! Como eu posso fazer isto?”
“Maluco é o senhor”, disse Buda.
“Pensa que é poderoso só porque é capaz de matar com uma espada.”
“Isto qualquer criança pode fazer. Os homens verdadeiramente poderosos são os que sabem curar.”
11/01/96


sábado, 28 de março de 2009

Esperança e fé elevam a alma

Mahatma Gandhi lutou sua vida inteira, mas conseguiu libertar a Índia do domínio inglês. Quando lhe disseram que era um dos maiores nomes jamais surgidos na História Universal, respondeu:
“Nada tenho de novo para ensinar ao mundo. A verdade e a não-violência são tão antigas quanto as montanhas. Tudo o que tenho feito é tentar praticá-las na escala mais vasta que me é possível. Assim fazendo, errei algumas vezes e aprendi com meus erros.”
“Os que acreditam nas verdades simples que expus, só podem propagá-las se viverem de acordo com elas. Estou absolutamente convencido de que qualquer homem ou mulher pode realizar o que realizei, se fizer o mesmo esforço e cultivar a mesma esperança e fé.”
14/03/96


sexta-feira, 27 de março de 2009

Elogio tem mais poder que crítica

Criticar é fácil, porque todos nós sabemos muito bem o que significa falhar em momentos importantes. Quando nos sentimos derrotados, nosso primeiro impulso é provar que não fracassamos sozinhos. Nesses momentos, nada mais fácil que apontarmos erros dos outros.
Mas isso não muda o amargo sabor da derrota nem nos ensina como superá-la. Só conseguiremos vencer os momentos difíceis se formos capazes de ver onde foi que nosso semelhante acertou. Por isso, uma palavra de elogio aos acertos alheios é muito mais poderosa que as famosas “críticas sinceras”.
Quando conseguimos admitir que nosso próximo merece um elogio, estamos abrindo em nosso coração uma estrada de mão dupla – e, em breve, receberemos um elogio de volta.
07/12/96


quinta-feira, 26 de março de 2009

INVASÃO SECRETA

Invasão Secreta é, obviamente, uma história grande, mas ela será um evento do tipo Guerra Civil, influenciando o Universo Marvel por sete, oito meses?

BENDIS: bom, muito disso fica completamente fora do meu controle. Só posso falar sobre as revistas que eu escrevo. O que percebi com Guerra Civil e Dinastia M é que essas coisas geram um movimento constante na medida em que chegam os roteiros. As pessoas aparecem com mais e mais ideias e posso sentir isso acontecendo de novo. Mas não quer dizer que vai com certeza. Porém, não me surpreenderia.

Guerra Civil claramente mudou o Universo Marvel. Vai acontecer o mesmo com Invasão?

BENDIS: sim. Tem coisas no final que terão consequências duradouras, mas o paralelo é que Guerra Civil foi um divisor de águas. Ela quebrou o Universo Marvel, enquanto Invasão Secreta vai meio que uni-lo. É algo que vai unir o Universo Marvel de verdade pela primeira vez em anos. Vingadores: A Queda aconteceu há quase cinco anos. Estou dizendo que as coisas começaram a desmoronar mesmo antes da Guerra Civil e, agora, está tudo no chão e o Capitão América morreu. Os Vingadores se dividiram. Os X-Men estão espalhados. Então, essa é a primeira ameaça real a colocar o planeta em xeque e que tem potencial de unir os personagens de uma maneira que não víamos há tempos.

Por que heróis e vilões mudam tanto de lado nas histórias X-Men?

Nas aventuras dos mutantes, heróis e vilões trocam de lado com uma frequência bem maior do que acontece com outros super-heróis. A razão talvez seja o fato de eles terem de lidar constantemente com o preconceito dos humanos e, por mais que estejam “convictos” de seus ideais, às vezes a distância entre o bem e o mal é de apenas algumas páginas.
A afeição dos leitores por determinados vilões também influi nessas idas e vindas. Desde que os X-Men surgiram, os seguintes vilões viraram heróis: Vampira, Mística, Magneto, Rainha Branca (Emma Frost), Dentes-de-Sabre e o Fanático.
Em compensação, e durante variados períodos de tempo, Colossus, Destrutor, Arcanjo e até Xavier se bandearam para o lado do mal, em momentos e por razões diferentes.

Rainha Branca

Fonte: Coleção 100 Respostas - Super-Heróis (Mundo Estranho) 2004

A Febre da Lebre Louca

O maior problema da Lebre é não saber dar algo em troca. Ela mima quem ela ama, mas negligencia outras pessoas com muita facilidade, não vendo detalhes importantes para uma boa convivência. Por exemplo, ela pode levar muito tempo para perceber que um colega de trabalho sempre lhe leva um mimo ou que aquela amiga sempre lhe paga o almoço, até fazer algo por essas pessoas. Isso é estranho, pois a Lebre parece ser muito atenciosa e, no entanto, distrai-se com pequenos gestos que fazem a vida tão melhor.
Outro problema da lebre é que não se pode confiar nela. Acredite, no máximo, que ela fará o possível para fazer o que se propôs. Não é má vontade. A Lebre vem de outro planeta, ela possui outro fuso horário e outras noções que os mortais não compreendem muito bem. Você pode acreditar que ela é maluca, mas a verdade é que ela ouve outra música e por isso seus passos às vezes parecem sem coerência.
Como na maioria das pessoas, as adversidades trazem à tona seu pior. A Lebre gosta de andar e quando se sente tolhida disso, torna-se irritadiça e malcriada. De fato, apesar de amáveis e gentis, quando encontram oposição ao que desejam, tornam-se desagradáveis e grosseiras.
Sua curiosidade tem um lado positivo se bem trabalhado. Podem se tornar grandes estudiosos, filósofos e fazer grandes descobertas, pois o intelecto as encanta. Por outro lado, seu lado mexeriqueiro pode fazer a Lebre perder o senso de polidez e fazer perguntas impertinentes e constrangedoras. Também são irritantes no trabalho, quando querem saber o porquê de tudo. Assista um filme com uma Lebre e você terá vontade de lhe dar um soco. Ela pergunta de tudo!
A Lebre é muito ansiosa e se preocupa demais com o futuro. Isso pode torná-la avarenta e apegada ao tipo de vida a que está acostumada. Se seu intelecto não for incentivado, tornar-se-á também preguiçosa e sem ambição, preocupada somente com seu próprio bem estar e conforto.

Somos fagulhas que contêm a luz divina

O texto sagrado indiano “Upanishads” usa uma bela imagem para se referir a unidade do homem com a Criação.
Ele diz que somos todos fagulhas de uma grande fogueira cósmica, e que cada fagulha contém em si a intensidade da luz divina.
O filósofo Martin James (1803-1882) completa: “não existe um reino de Deus e um reino da Natureza; o que chamamos de matéria é apenas a porção visível do Espírito.”
“Estamos o tempo todo no Paraíso, e o Paraíso está em nós.”
“Por que, então, não nos damos conta disso?”
“A resposta é fácil: temos medo de nossa coragem. Achamos que, se arriscarmos e perdemos, toda a nossa fé irá embora. Mas a coisa não funciona assim. Aquele que arrisca, sabe que não há derrota possível.”
07/12/96


quarta-feira, 25 de março de 2009

INVASÃO SECRETA

Prepare-se: Brian Michael Bendis está prestes a virar o Universo Marvel de ponta-cabeça ao mostrar que seu personagem preferido é, na verdade... um skrull!

POR MIKE COTTON E KIEL PHEGLEY

Brian Michael Bendis simplesmente não consegue mais esperar para nos acertar na cara. E, que surpresa: você vai querer levar essa! Depois de sistematicamente derrubar os Vingadores e apagar os poderes de milhões de mutantes, o roteirista embarca agora em sua mais controvertida história até o momento: Invasão Secreta. Gerada nos populares arcos de Bendis em Novos Vingadores e Poderosos Vingadores, a minissérie em oito edições – que estreia por aqui no mês que vem – gira em torno da infiltração que acontece há anos nas maiores superequipes da Marvel pelos alienígenas transmorfos chamados skrulls.
Com uma premissa tão recheada de possíveis traições, ressurreições e clima de espionagem, o debate sobre quais heróis são skrulls e o que cada uma dessas substituições significa para os fãs ferveu desde que o argumento da trama surgiu nos EUA, em 2007. Mas, como Bendis explica, se há um só ponto positivo em sua história é o fato de que ninguém vai prever seu final até ele acontecer. “Porque sou eu, e me chamam injustamente por aí de ‘o rei da enrolação’, as pessoas acham que só haverá revelações na edição 7”, diz ele. “Mas elas estão lá logo de início. Acontece muita coisa na edição 1. Vamos chegar com o pé na porta”.
Mas antes que a pobre porta sofra, o roteirista se aprofunda no debate, explicando sua atração pelos aliens transmorfos, se o Homem de Ferro ou o Capitão América são/eram skrulls, e por que ele não está tentando competir com Guerra Civil.

Quantos casais já foram formados nos X-Men?

Já que a humanidade nutre grande preconceito contra os mutantes, o jeito é se “arranjar” entre si. Nas histórias X-Men já rolaram vários casais.
Ciclope se casou com Madelyne Prior e Jean Grey, mas agora está de rolo com Emma Frost, a Rainha Branca, que antes era inimiga da equipe.
Também viveram romances Destrutor e Polaris, Cristal e Lonshot, Vampira e Gambit (apesar de ela não poder tocar sua pele – se o fizer, roubará seus poderes e pode vir a matá-lo –, eles sempre dão um jeitinho), Colossus e Kitty Pride, Anjo e Psylocke, Forge e Tempestade, Arcanjo e Escalpo...
Isso sem contar o caso mal resolvido de Wolverine com Jean Grey. Sempre rolou uma tensão sexual entre os dois, mas eles só chegaram às vias de fato no universo Ultimate, uma versão mais “modernosa” desses personagens da Marvel que tem feito muito sucesso entre os leitores ultimamente.

Gambit e Vampira

Fonte: Coleção 100 Respostas - Super-Heróis (Mundo Estranho) 2004

Qual é a população estimada de mutantes no universo Marvel?

Esse número jamais foi estabelecido com exatidão, mas sabe-se que a população de mutantes habitando a Terra está na casa dos milhões.
Para ratificar essa estimativa, basta dizer que numa aventura de New X-Men publicada em 2001 (no Brasil, saiu em 2003, pela Panini) foram mortos 16 milhões de mutantes só na ilha de Genosha, um lugar governado pelo vilão Magneto (quem lhe deu o lugar, após alguns “entreveros”, foi a ONU) onde viviam exclusivamente pessoas com fator X. Mesmo após esse genocídio, ainda há incontáveis mutantes pelo universo Marvel.


Fonte: Coleção 100 Respostas - Super-Heróis (Mundo Estranho) 2004


Praça Vilaboim

Como surgiu este nome?

A praça rodeada de restaurantes e por onde costumam circular estudantes da Faap e moradores famosos de Higienópolis deve seu nome ao advogado baiano Manuel Pedro Vilaboim.
Ele se mudou para São Paulo em 1891 e passou a lecionar na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Membro do Partido Republicano Paulista, elegeu-se deputado estadual e deputado federal.
Representou o país como juiz permanente do Tribunal Internacional de Haia, na Holanda. Morreu em 1937, aos 70 anos.

Praça Vilaboim

A disciplina dos sentidos compensa

O beneditino Steindl-Rast fala da experiência no mosteiro: “As pessoas costumam associar a vida religiosa com a negação de todos os prazeres; isto é errado.”
“O ascetismo significa a disciplina dos sentidos – de modo que você possa desenvolver ainda mais sua compreensão da existência. A vida no mosteiro é um constante treinamento, uma busca de qualidade no estudo, na língua, e na alimentação.”
“Se você refinar sua dieta, será obrigado a abrir mão de certos alimentos. Entretanto, na medida em que esta dieta começa a fazer bem, você verifica que não está fazendo sacrifícios. Um corredor, um músico, ou um religioso, esquecem facilmente certas coisas, pois estão concentrados na sua arte.”
04/01/96


terça-feira, 24 de março de 2009

A Lebre

Calada e observadora, muito reservada e tranquila, a Lebre sempre parece inofensiva. Por isso mesmo ela enrola todo mundo na maior facilidade, pois ela ouve muito mais do que fala e está sempre atenta ao que acontece ao seu redor, o que a torna a melhor das fofoqueiras.
Talento e independência são traços da Lebre e suas experiências encantam e surpreendem, pois costumam ser muito ricas. Seu espírito é poético e seu gosto, refinado. Não convide uma Lebre para jantar no Angu do Gomes da esquina porque é mais barato (nesse caso, convide o Rato). Ela gosta mesmo é de beleza e qualidade.
Lebres são muito caladas e diz-se que são boas ouvintes. Realmente são, mas não por terem empatia, mas por gostarem de uma boa fofoca. Em compensação, não dão muitas pistas sobre si mesmas.
Outro traço da Lebre é a loucura. Sim, ela parece normal de longe, mas de perto é completamente maluca. Suas maluquices confundem o espectador, que acaba acreditando que a Lebre não oferece perigo. E é aí que a Lebre engana todo mundo e sai na melhor. Nada mais perigoso que um ser imprevisível...
De constituição forte e saudável, gosta de viajar, especialmente para regiões montanhosas. Gosta de ter amigos, mas estes terão que se acostumar com o jeito da Lebre de querer saber tudo, mas não querer dizer nada. Nada irrita mais a Lebre do que uma invasão de privacidade! Mesmo assim, as Lebres são muito divertidas e leais e é sempre gostoso tê-las por perto, em festas, jantares ou em viagens.
A Lebre gosta de coisas belas, mas pode sacrificar sua própria qualidade de vida pelos outros. Apesar de saudável, não possui grande vitalidade e por vezes a gasta-a toda tentando fazer quem ama feliz. Essa vontade louca de viajar, inclusive, é fruto de uma sensação que a Lebre tem de que precisa mudar alguma coisa em sua vida, pois se sente abafada. Ela acredita que uma mudança de ares lhe fará bem, mas o que ela precisa mesmo é de uma mudança interna.

Nosso lado infantil não morre nunca

O monge Steindl-Rast comenta: “A filha de um amigo meu disse certo dia: papai, não é uma surpresa que eu exista?”
As crianças sabem intuitivamente como é milagrosa a vida. Nós também sabemos, porque ainda somos crianças e esse nosso lado infantil não morrerá nunca. Podemos esquecer a ingenuidade, trancá-la, dar-lhe um ar de seriedade e respeito, mas ela continuará existindo enquanto vivermos. É melhor aceita-la.
Quando aprendemos a lição de nossos dias, precisamos combinar o entusiasmo infantil com a sabedoria da experiência. Para isso, é necessário “nascer de novo”, como dizia Jesus.
Se hoje fosse o primeiro dia de sua vida, o que você estaria fazendo?


segunda-feira, 23 de março de 2009

Deus pede conta de nossas alegrias

Trecho da Bíblia (Cântico dos Cânticos), geralmente esquecido por todos que vivem pregando o reinado do sacrifício:
“Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe gostosamente o teu vinho, pois Deus já de antemão se agrada das tuas obras. Em todo tempo sejam alvas as tuas vestes, e jamais falte o óleo sobre a tua cabeça.”
“Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção nesta vida, pelo trabalho com que te cansaste debaixo do sol.”
“Alegra-te, jovem, na tua juventude e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade. Anda pelos caminhos que satisfazem ao teu coração e agradam aos teus olhos. Saiba, porém, que de todas essas coisas Deus te pedirá conta.”


domingo, 22 de março de 2009

Avenida Nove de Julho

As obras começaram ainda na década de 20, mas só em 1941 o então prefeito Prestes Maia conseguiu concluir a Avenida Nove de Julho. A nova via integrava o projeto “Sistema Y”, que englobava também a Tiradentes, a Anhangabaú Inferior (hoje Prestes Maia) e a 23 de Maio. Entusiasta das obras viárias, ele acreditava que a abertura de grandes avenidas ajudaria a descongestionar o centro.

A Lebre em 2009

2008 foi um bom ano para as Lebres que souberam fazer boas escolhas. Em 2009, a Lebre poderá ser feliz, se souber ser paciente. Isso, infelizmente, vai ser difícil, pois o aspecto mais negativo do ano para este animal está presente em todos os aspectos da sua vida. A fofoca.
A Lebre é naturalmente fofoqueira, mas detesta que se metam em sua vida. E neste ano, as pessoas vão estar meio invasivas. Nem é uma questão de fofoca, mas de tentativa genuína de tentar ajudar o outro. Só que a energia do Búfalo vai fazer com que as pessoas tentem ajudar sendo sinceras sobre o que pensam sobre as outras. Isso vai chocar a pobre Lebre, que vai ficar amuada com seus amigos, brigar com o par, expulsar a família e mandar o chefe se meter com seus próprios negócios.
Se a Lebre souber se controlar e compreender que toda essa intromissão é só parte da energia do ano, vai poder aproveitar o resto. Os amigos estarão mais encantados com ela do que nunca e sempre a convidarão para as festas e eventos sociais, o que vai deixá-la muito animada. Não é um ano de grandes confrontações e a Lebre não precisará se estressar com isso.
Nos negócios, será um excelente ano. Ela sabe trabalhar com a paciência exigida neste ano e o trabalho será feito. Os resultados serão concretos e seus projetos serão sólidos. A Lebre é justa e honesta e será bem recompensada por essas virtudes e seu trabalho em 2009. a Lebre só precisa controlar um pouquinho mais os gastos, pois ela pode se perder em devaneios achando que o dinheiro que entrou fácil continuará entrando facilmente para sempre.
No amor, a Lebre atrairá olhares e atenções e será um ótimo ano para estabelecer uma relação duradoura. Confie um pouco mais, Lebre, e saia dos jogos de sedução. Eles não funcionarão (ou funcionarão muito mal) neste ano. Seja apenas você mesma, aposte na simplicidade e honestidade, e terá muito mais chance de conquistar um par para a vida toda. Para quem já tem um par, será um ano de cumplicidade. Apóie seu par e deixe que ele apóie você. E, juntos, ficarão bem.

Quem é parente de quem no universo dos X-Men?

Não há provas de que o Fator X, que confere os dons mutantes, seja hereditário. Mesmo assim, há vários parentes no universo dos X-Men. Confira:

  • Ciclope (Scott Summers) é irmão de Destrutor (Alex Summers). Os dois são filhos do Corsário, líder dos chamados Piratas Siderais.
  • Cable é filho de Ciclope e Madelyne Prior (ela é um clone de Jean Grey, com quem o herói se casou).
  • Marvel Girl (antes Fênix) é filha de Ciclope e Jean Grey num futuro alternativo, mas vem para nossa realidade após uma viagem temporal.
  • Nate Grey, o X-Man, é filho “indireto” de Ciclope e Jean Grey numa das várias realidades paralelas, a Era do Apocalipse. Ele nasceu de um experimento genético feito pelo Senhor Sinistro com os DNAs dos heróis.
  • Legião (David Heller), um dos personagens que já morreu, era filho de Xavier com Gabriell Haller.
  • Cassandra Nova é irmã de Xavier – isso foi revelado recentemente.
  • Colossus, Illiana e Mikhail Rasputin eram irmãos. Todos morreram.
    Noturno é filho de Mística e Azazel, um tipo de demônio.
  • O vil Graydon Creed era filho natural dos igualmente malévolos Mística e Dentes-de-Sabre.
  • Míssil (Sam Guthrie) é irmão de vários outro mutantes: Paige (cujo codinome é Husk), Joshua, Joelle, Elizabeth, Jeb, Lewis e sua irmã gêmea, que nunca teve o nome revelado.




  • Corsário

    Fonte: Coleção 100 Respostas - Super-Heróis (Mundo Estranho) 2004


    Amor é parte da natureza humana

    Todos nós precisamos de amor. Faz parte da natureza humana – tanto quanto comer, beber e dormir. Muitas vezes nos sentamos diante de um belo pôr-do-sol, completamente sós, e pensamos: “Nada disso tem importância, porque não posso compartilhar toda esta beleza com alguém.”
    Nesses momentos, vale a pena perguntar: quantas vezes nos pediram amor, e nós simplesmente viramos nosso rosto para o outro lado? Quantas vezes tivemos medo de nos aproximar de alguém, e dizer, com todas as letras, que estávamos apaixonados?
    Cuidado com a solidão. Ela vicia tanto quanto as drogas. Se o pôr-do-sol parece não ter mais sentido para você, seja humilde e busque o amor. Saiba que – assim como outros bens espirituais – quanto mais você de dispuser a dar, mais receberá em troca.


    sábado, 21 de março de 2009

    A palavra amor aplaca toda ira

    Um padre da igreja de Copacabana aguardava pacientemente seu momento de comprar carne no supermercado, quando uma mulher tentou “furar” a fila.
    Começou então um festival de agressões verbais dos outros fregueses, que a mulher respondia com igual veemência. Quando o clima estava insuportável, alguém gritou: “Ei, madame, Deus te ama”.
    “Foi impressionante”, conta o padre. “Num momento em que todos pensavam em ódio, alguém falou de amor. Na mesma hora, a agitação desapareceu por encanto. A mulher se encaminhou para o seu lugar correto na fila e os fregueses se desculparam por reagirem tão agressivamente.”


    sexta-feira, 20 de março de 2009

    Tomar decisões requer coragem

    Um guerreiro da luz não adia suas decisões. Ele reflete bastante antes de agir. Considera seu treinamento, sua responsabilidade, e seu dever com o mestre. Procura manter a serenidade, e analisa cada passo.
    Entretanto, no momento em que toma uma decisão, o guerreiro segue adiante. Não fica duvidando do que escolheu, nem muda de percurso se as circunstâncias forem diferentes do que imaginou.
    A vida é sempre diferente; o guerreiro sabe disto. Se sua decisão foi certa, ele vencerá o combate – mesmo que dure mais tempo do que estava previsto. Se sua decisão foi errada, ele será derrotado, e aprenderá a não repetir os mesmos equívocos.
    03/01/96


    quinta-feira, 19 de março de 2009

    Nikolai Gógol

    Nikolai Vassílievitch Gógol nasceu em Sorotchinsy, Ucrânia, a 19 de março de 1809, e morreu em Moscou, a 21 de fevereiro de 1852. De família patriarcal de cossacos, viveu até os doze anos na pequena propriedade paterna de Vasilievka – e a Ucrânia, com seu folclore, seria sua primeira fonte de inspiração. Aos 16 anos perdeu o pai. A influência da personalidade da mãe, mulher muito religiosa, não o abandonaria jamais. Em dezembro de 1821, mudou-se para São Petersburgo, com a intenção de conquistar a glória literária. Mas seu romântico Hans Kuechelgarten, que publicou em 1829 sob o pseudônimo de V. Aulov, foi mal acolhido pelos críticos. Lamentando o fracasso, tentou exercer um cargo público, deixando-o pouco depois. São dessa época os contos ucranianos que publicou em Noites na Fazenda de Dikanka (1831/32). Conheceu o escritor Aleksandr S. Pushkin, que deveria influenciá-lo e dar-lhe os temas de O Inspetor Geral e de Almas Mortas. Nomeado professor de História da Idade Média na Universidade de São Petersburgo, continuou a carreira literária. Uma nova coleção de novelas, Os Arabescos (1835), era composta por O Retrato, A perspectiva Névski e Diário de um Louco. Neste último aparece o problema crucial de toda a obra de Gógol: o mal, o diabo em sua verdadeira natureza humilhante e invejosa, que aniquila o homem e o enlouquece. Outras novelas foram unidas na coletânea Mirgorod (1835), de inspiração ucraniana. Entre estas, a mais importante é Taras Bulba. Contando a gloriosa luta dos ucranianos contra os poloneses, Taras Bulba surpreendeu a todos pela força de seu otimismo um tanto heróico e nacionalista. O humor amargo e sarcástico de Gógol já se manifestara na novela O Nariz (1833) e iria se apresentar totalmente livre em o O Inspetor Geral (1836), violenta sátira aos funcionários russos das províncias. A apresentação da peça provocou a indignação da platéia de burocratas e burgueses. Desgostoso, o escritor partiu para o estrangeiro: Alemanha, Suíça, França e Itália. Em 1841 publicou a novela O Capote, que exerceu enorme influência na literatura russa e inaugurou o Realismo nesse país. Em 1842, publicou Almas Mortas, romance no qual trabalhou durante mais de quinze anos. A partir de 1842 viveu com andarilho, deprimido por grave crise religiosa. Em 1852 queimou o segundo volume de Almas Mortas e se abandonou à morte por inanição.

    Da conquista

    Durante a evangelização no Japão, um missionário foi preso por samurais.
    “Se quiser continuar vivo, amanhã terá que pisar a imagem de Cristo, diante de todos”, disseram os guerreiros.
    O missionário foi dormir, sem nenhuma dúvida no coração: jamais cometeria tal sacrilégio e estava preparado para o martírio.
    Quando acordou, tropeçou num homem que dormia no chão. E quase caiu para trás: era Jesus Cristo em pessoa!
    “Agora que já pisou em mim, vá lá fora e pise na minha imagem”, disse Jesus. “Porque nossas ideias são mais importantes do que a vaidade de um sacrifício”, completou.


    quarta-feira, 18 de março de 2009

    O guerreiro sabe lidar com desafios

    A palavra responsabilidade significa, conforme sua raiz latina, capacidade de responder, de reagir.
    Um guerreiro responsável não é o que coloca sobre seus ombros todo o peso do mundo; é aquele que aprendeu a lidar com os desafios da vida. Foi capaz de observar e treinar. Foi, inclusive, capaz de ser “irresponsável”: às vezes, deixou-se levar pela situação, mas entendeu as lições da derrota.
    Nem sempre a capacidade de reagir significa tomar uma atitude; pode ser também a humildade de pedir um conselho ou receber uma ajuda. Tudo depende de como as situações da vida se apresentam – e quanto a isto não existem regras, porque cada um sabe como manejar sua espada.
    Um guerreiro da luz é responsável – no verdadeiro sentido da palavra.


    terça-feira, 17 de março de 2009

    Os detalhes podem ser fundamentais

    Marcia Piazzi nos lembra a história de um escritor que morava numa bela praia, junto a uma colônia de pescadores. Num dos seus passeios matinais, ele viu um jovem jogando de volta no oceano as estrelas-do-mar que estavam na areia.
    “Por que você faz isso?”, perguntou o escritor.
    “Porque a maré está baixa, e elas vão morrer.”
    “Meu jovem, existem milhares de quilômetros de praia por este mundo e centenas de milhares de estrelas-do-mar espalhadas pela areia. Que diferença você pode fazer?”
    O jovem pegou mais uma estrela e atirou no oceano. Depois virou-se para o escritor:
    “Para esta, eu fiz uma grande diferença”, respondeu.
    A partir daquele dia, todas as manhãs o escritor passou a ajudar o jovem.

    segunda-feira, 16 de março de 2009

    Corujas

    Porque a coruja é o símbolo da sabedoria?

    Na mitologia grega, a coruja era a mascote da deusa Atena, geralmente relacionada à Lua. Ave noturna, ela possui os olhos adaptados para localizar suas presas sob a fraca luminosidade do luar, não suportando, por isso mesmo, a luz do Sol. Para os antigos gregos, esse olhar tornou as corujas símbolo do conhecimento racional, em oposição ao conhecimento intuitivo. O primeiro tipo de conhecimento vem da reflexão racional sobre os fatos, enquanto a intuição vem da percepção simples e imediata das coisas. Ora, como as corujas se orientam pela reflexão (da luz solar na Lua) e não pela percepção direta (da luz solar), os gregos as associaram ao conhecimento, fruto da reflexão e da sabedoria.

    Hábitos noturnos inspiraram mito grego

    Fonte: SUPERINTERESSANTE # 28 (janeiro de 1990)

    Da Bíblia

    Texto do Deuteronômio:
    "Quando fizeres a colheita em teu campo e nele esqueceres um feixe de espigas, não voltes para recolhê-lo. Ele é do órfão, da viúva e do estrangeiro; e assim o Senhor teu Deus abençoa as obras de tuas mãos. Quando sacudires a oliveira, aquilo que ainda ficar preso nos galhos deve permanecer lá; ele será para o órfão, para a viúva, e para o estrangeiro.
    "Quando recolheres as uvas da tua vinha, não retornes para ver se esqueceste algumas no chão; o que sobrar é para o órfão, para viúva e para o estrangeiro.
    "Lembra que foste escravo na terra do Egito. E obedece o que te ordeno."


    domingo, 15 de março de 2009

    O carnaval nasceu na Antiguidade, resistiu à Idade Média e chegou aos tempos atuais com formas diversas, mas com o mesmo fundamento: a suspensão dos estatutos sociais. Paradoxalmente, as tentativas de controle religioso quase sempre se converteram em mais diversão

    por Véronique Dumas

    [continuação]

    Alguns antropólogos vêem nesse antiqüíssimo rito mesopotâmico, e não nas Sacéias, a fonte do carnaval, que mais tarde seria exportado pelos persas ao Ocidente.

    Outros deuses pagãos e reis contribuíram para enraizar as festas carnavalescas no mundo. Na Assíria da Antigüidade, sempre em março, acontecia a festa de Ísis, a divindade egípcia protetora dos navegantes e talvez a de maior popularidade na sua região de influência. Seus adoradores introduziram as máscaras na festa. Era com o rosto coberto que marchavam em uma alegre procissão, na frente de um carro que transportava uma barca, depois oferecida à deusa.

    Em Roma, havia outras festas fundadas na suspensão das obrigações e das barreiras sociais. Chamavam-se Saturnálias, duravam uma semana e ocorriam no solstício de inverno. A folia fazia com que, nesse curto período, os senhores usassem chapéus dos escravos e os servissem. Por sorteio, era eleito um rei que podia fazer e dizer o que bem quisesse. Outra cerimônia, a das Lupercálias, acontecia em fevereiro, mês das divindades infernais e das purificações.

    ENQUADRAMENTO A partir do século II, os doutores da Igreja decidiram considerar esses festejos como manifestações do Maligno, senhor da ilusão. Todo aquele que invertesse a ordem das relações sociais ou dos sexos entrava para o reino do demônio, e o homem, criado à imagem de Deus, cometia um grave pecado ao modificar sua aparência com máscaras, diziam.

    Nada mudou, contudo, nas tradicionais festas romanas de janeiro, em comemoração ao Ano Novo. Em 31 de dezembro, a festa começava com fartas refeições familiares. Em 1o de janeiro, os banquetes e danças avançavam noite adentro. No dia 2, todos ficavam em casa, para se curar dos excessos da véspera. No dia 3, a festa recomeçava e atingia seu auge, com distribuição de moedas à multidão, jogos e desfiles de mascarados.


    Na virada do primeiro milênio, a brincadeira incluía boa dose de terror, com foliões chamados de “medos”
    Mascarados no carnaval, iluminura, Gervais du Bus, 1310-14, Ilustrações para o Roman de Fauve

    fonte: História Viva.

    Austrália

    Foi de lá que o vôo 815 da Oceanic Airlines saiu. O país também foi cenário de acontecimentos relacionados a diversos personagens, entre eles:

    CLAIRE LITTLETON
    Nasceu e vivia no país; engravidou lá.
    WALT LLOYD
    Foi criado no país. O pai foi buscá-lo quando perdeu a mãe.
    HURLEY REYES
    Viajou à Austrália atrás da origem dos números da loteria.
    JOHN LOCKE
    Tentou participar de uma expedição, mas sua doença o impediu.
    JACK SHEPHARD
    Foi procurar seu pai a pedido da mãe, mas já o encontrou morto.
    BERNARD E ROSE
    Estavam em lua-de-mel; Bernard levou Rose a um curandeiro.
    SHANNON RUTHERFORD
    Vivia na Austrália; Boone foi atrás dela.
    CHARLIE PACE
    Foi até lá para tentar convencer o irmão a reunir o Driveshaft.
    KATE AUSTEN
    Estava fugindo da polícia, mas foi denunciada e capturada.
    JIN-SWOO KWON
    Estava no país com a esposa, a trabalho. Ela planejava fugir dele.
    JAMES “SAWYER” FORD
    Foi à Austrália em busca de vingança.

    O Menestrel

    Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma.
    E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.
    Começa a aprender que beijos não são contratos e que presentes não são promessas.
    Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
    Aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
    Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
    E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam...
    E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.
    Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
    Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la... e que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida.
    Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
    E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
    E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. Aprende que não temos de mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam...
    Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
    Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa... por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos.
    Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.
    Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
    Aprende que não importa onde já chegou, mas para onde está indo... mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve.
    Aprende que ou você controla seus atos ou eles o controlarão... e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
    Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências.
    Aprende que paciência requer muita prática.
    Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
    Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.
    Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
    Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens...
    Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
    Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
    Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso. Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém...
    Algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
    Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.
    Aprende que o tempo não é algo que possa voltar.
    Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, em vez de esperar que alguém lhe traga flores.
    E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito longe depois de pensar que não se pode mais.
    E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
    Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar.

    William Shakespeare

    A vida espiritual é um modo de amar.

    O texto é de Thomas Merton, monge trapista:
    “A vida espiritual se resume em amar. E o amor, é claro, significa mais que sentimento, mais que caridade, mais proteção. O amor é a identificação completa com a pessoa amada – sem a intenção de “fazer o bem” ou “ajudar”. Quando se tenta fazer o bem através do amor é porque estamos vendo o próximo como um simples objeto e estamos vendo a nós mesmos como pessoas generosas, cultas e sábias. Isto, muitas vezes, pode resultar numa atitude dura, dominante, brutal.”
    “Amar é comungar com quem se ama. Ama teu próximo como a ti mesmo, com humildade, discrição e reverência. Só assim é possível entrar no santuário do coração alheio.”


    sábado, 14 de março de 2009

    Castro Alves

    Hoje (dia 14), comemoramos o Dia Nacional da Poesia. Vamos falar da vida de um grande poeta brasileiro: Castro Alves. Antônio Frederico de Castro Alves nasceu no dia 14 de março de 1847, na fazenda Cabaceiras, próximo ao município de Curralinho, na Bahia. Era filho de Antônio José Alves e Clélia Brasília da Silva Castro. Entre 1852 e 1853, a família muda-se para São Félix. Castro Alves aprende as primeiras letras e passa a frequentar a escola. Em 1854, ocorre uma nova mudança, desta vez para Salvador. Em 1859, morre sua mãe Clélia.
    Castro Alves recita as suas primeiras poesias em 1861, no ginásio. Seu pai casa-se novamente em 1862. Nesse mesmo ano, Castro Alves publica em jornal a poesia “Destruição de Jerusalém”. Em seguida, parte para Recife. No ano seguinte, publica “A canção do africano”, seus primeiros versos abolicionistas. Em 1865, começa a preparar “Os escravos”. Um ano depois, funda uma sociedade abolicionista com Rui Barbosa e outros. Torna-se amante da atriz Eugênia Câmara e entusiasma-se pelo teatro. Em 1868, viaja para o Rio de Janeiro, onde recita o seu “Gonzaga” a José de Alencar. Rompe com Eugênia. Fere o pé ao disparar a própria arma acidentalmente numa caçada. No ano seguinte, tem o pé amputado. O seu único livro publicado em vida foi Espumas flutuantes, em 1870. No dia 6 de julho de 1871, vem a falecer em Salvador, de tuberculose pulmonar.

    A SORTE NÃO VEM DE FORA.
    NÓS PRÓPRIOS CRIAMOS
    NOSSAS OPORTUNIDADES.


    As oportunidades parecem vir repentinamente de fora, mas, na realidade, somos nós quem as criamos e as fazemos acontecer. Existe um ditado antigo: “Ocorrem situações auspiciosas na casa onde há virtudes acumuladas”. Quem sempre dedica amor ao próximo e trabalha para dar alegria aos semelhantes terá naturalmente oportunidades que lhe trarão muita alegria.

    Do livro Viver Junto com Deus – A Verdade em 365 Preceitos – Masaharu Taniguchi

    sexta-feira, 13 de março de 2009

    Sexta, 13

    Por que a sexta-feira, 13, é o dia do azar?

    De todas as superstições conhecidas, a que se refere ao número 13 talvez seja a mais popular. Sua origem parece estar em duas lendas da mitologia nórdica. De acordo com a primeira delas, houve no Valhalla, a morada dos deuses, um banquete para o qual doze divindades foram convidadas. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga em que morreu Balder, o favorito dos deuses. Daí veio a crendice de que convidar 13 pessoas para um jantar era desgraça na certa. Na Escandinávia também, segundo outra lenda, a deusa do amor e da beleza era Friga (que deu origem a friadagr, sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, a lenda transformou Friga em bruxa, exilada no alto de uma montanha. Para vingar-se, ela passou a reunir-se todas as sextas com outras onze bruxas, mais o demônio – num total de treze entes que ficavam rogando pragas sobre os humanos. Da Escandinávia a superstição espalhou-se pela Europa. Serviu para consolidá-la o relato bíblico da Última Ceia, onde havia treze à mesa, às vésperas da crucificação de Cristo.

    Fonte: SUPERINTERESSANTE # 10 (julho de 1988)


    Veneza

    Como e quando foi construída a cidade de Veneza?

    Veneza, chamada “sereníssima”, foi construída sobre um conjunto de ilhotas cortadas por nada menos de 177 canais, que somam um total de 45 quilômetros, na laguna veneziana. Seus primeiros habitantes eram fugitivos das invasões bárbaras que acabaram com o já enfraquecido Império Romano, no século V. Os veneti estabeleceram ali comunidades que permaneceram independentes até o século VII, quando houve a primeira eleição de um chefe geral, chamado doge, por uma assembléia popular. Veneza expandiu-se rapidamente com o desenvolvimento econômico resultante do comércio marítimo; a cidade constituía um importante porto de circulação de mercadorias vindas do Oriente.

    Fugitivos dos bárbaros fizeram Veneza em ilhotas cortadas por 177 canais

    Fonte: SUPERINTERESSANTE # 10 (julho de 1988)

    O AMOR-APEGO
    ATORMENTA, MAS O AMOR
    QUE LIBERTA VIVIFICA.


    Amar não é cercear a liberdade da pessoa amada, e sim dar-lhe plena liberdade. Mas não adianta simplesmente soltá-la. Devemos soltar a pessoa amada na direção que lhe possibilite crescer correta e vigorosamente, acompanhar os seus passos e orar por ela. Libertar é um ato de doação.

    Do livro Akaruku Tanoshiku Jinsei O – Seicho Taniguchi

    quinta-feira, 12 de março de 2009

    Lebre

    A Lebre é...

    Perpicaz, inteligente, mexeriqueira, sensível, distante, detalhista, astuta, bondosa, discreta e egoísta.


    Conhecendo melhor a Lebre

    Direção: Leste.
    Estação principal: Primavera.
    Mês principal: Setembro.
    Signo zodiacal correspondente: Peixes.
    Elemento fixo: Madeira.
    Polaridade: Yin.
    Planeta regente: Júpiter.
    Metais: platina.
    Pedras: ametista.
    Ervas: açafrão e salgueiro.
    Perfume: patchouli.
    Cores: violeta.
    Flor: violeta.
    Simbolismo: Espírito.
    Número de sorte: 7
    Dia propício: quinta-feira.
    Parte do corpo humano que governa: busto, tórax, seios e estômago.
    Doenças predipostas: problemas no aparelho digestivo, câncer, congestões pulmonares, cálculos renais e biliares.
    YANG: fé, intuição, mediunidade, humanismo, impressionabilidade, misticismo, piedade, bondade, sacrifício e renúncia.
    YING: infidelidade, passividade e timidez. Anulação do espírito de luta e anulação da própria personalidade em detrimento dos outros ou do que se espera dele.
    Melhores Parceiros no Trabalho para o Rato

    Rato + Búfalo = Combinação estranha, mas não é que funciona! O Rato pode aprender com o Búfalo um pouco de tolerância e paciência e o Búfalo consegue colocar um freio nos excessos do Rato.
    Rato + Lebre = Ambos são intuitivos, mas o Rato com a Lebre fica mais lógico. Se não houver choque, será uma boa parceria.
    Rato + Dragão = O Dragão atrai dinheiro como um ímã e deixará o Rato fazer suas maluquices sem problema.
    Rato + Serpente = Se esses dois abrirem um negócio, eles são imbatíveis!
    Rato + Cabra = Funciona assim: a Cabra mantém o Rato ocupado e ele faz o dinheiro dos dois crescer.
    Rato + Macaco = Muito bom! Sociedade dinâmica, criativa e levemente picareta, mas com muito sucesso.
    Rato + Galo = Se eles conseguirem parar de falar e começar a agir, pode até funcionar.
    Rato + Cão = A honestidade do Cão atrapalha o Rato. O Cão é muuuuito certinho. Mesmo assim, dão-se bem e pode funcionar (porque o Cão é meio bobo).
    Rato + Porco = Estranhamento bom, porque apesar de não terem nada em comum, funcionam bem juntos no trabalho. Adoram almoçar juntos!
    Piores Parceiros no Trabalho para o Rato

    Rato + Rato = competição demais pra rato de menos. Vão parar os dois no hospital com palpitação e falta de ar.
    Rato + Tigre = Até daria certo, se conseguissem confiar um no outro, o que é muuuuito difícil.
    Rato + Cavalo = Falência! A honestidade do cavalo será um boicote para as negociações do Rato.

    O Rato nos negócios

    É essencialmente um empreendedor. É inteligente e sua mente ágil o torna um excelente empresário, um vendedor de mão cheia e um grande negociador ou publicitário. A menos que seja um trabalho criativo, o Rato não gosta de ficar trancado num ambiente e também não gosta de trabalhar sozinho. Ele produz muito melhor em grupo, então não o isole. Como não suporta ninguém olhando por cima do ombro dele pra fiscalizar o que está fazendo, o Rato prefere ser deixado em paz. Acredite, ele trabalhará bem melhor assim. Nas finanças, adora boa pechincha, um novo desafio, vender uma ideia, criar uma oportunidade! Ele gosta de ver seus esforços recompensados e o pagamento pra ele é fundamental. Sem essa de “trabalhar por amor”. O Rato gosta de dinheiro e esse é seu principal estímulo. Por isso, podemos encontrar Ratos em praticamente qualquer atividade.

    COMBINAÇÕES AFETIVAS FAVORÁVEIS

    Rato + Rato = competição par ver quem é mais esperto. Pode ser divertido ou perigoso.
    Rato + Búfalo = Só dará certo enquanto o Rato estiver no comando.
    Rato + Tigre = Vão discutir e bater boca sempre que possível. Relação divertida para ambos ou não.
    Rato + Lebre = Pensam e sentem do mesmo jeito. Excelente combinação.
    Rato + Dragão = Só funciona se o Dragão estiver no comando e se o Rato aprender a perdoar. Combinação divina.
    Rato + Cabra = Vai dar mais certo na cama do que fora dela, mas pode-se tentar.
    Rato + Macaco = Amor à primeira vista!
    Rato + Galo = Combinação interessante, mas o Galo pode perder a paciência com as troças do Rato.
    Rato + Cão = Combinação estranha, mas pode dar certo.
    COMBINAÇÕES AFETIVAS DESFAVORÁVEIS

    Rato + Porco = Difícil entendimento, ambos querem coisas diferentes.
    Rato + Serpente = A Serpente deixa o Rato sexualmente inibido.
    Rato + Cavalo = Saia correndo o mais rápido que puder.

    Amizade

    Ser amigo de um Rato é diversão garantida. São piadistas, animados e muito leais. O problema é que para o Rato, amigos foram feitos para serem usados. E eles vão usá-los sem o menor constrangimento. Quem não se importar com esse detalhe, terá uma amizade verdadeira e muito firme, pois o Rato também não deixa o amigo na mão. Por outro lado, quando são desapontados por um amigo, não hesitam em dar as costas e seguir com sua vida. Ratos são muito fofoqueiros e não espere que eles guardem segredo de coisa alguma. É um animal matreiro que não se constrangerá em ludibriar os outros, inclusive seus melhores amigos. Por isso prefere o Búfalo (porque é ingênuo), o Dragão (porque sua mesa é sempre farta e o Dragão adora ser adulado) e o Macaco (que é tão esperto e fofoqueiro quanto ele).

    Um Rato na cama

    Se em plena luz do dia, o Rato já está buscando novidades, imagine na calada da noite, quando todos os ratos são pardos! Ele é sensual, criativo e de mente aberta. Não tenha medo de propor-lhe uma coisa diferente. Como o Rato é um fofoqueiro incansável, depois da ação, nada de virar pro lado e dormir. O Rato vai querer falar (Ratos falam muito, especialmente da vida alheia). A fidelidade é sua marca registrada e é muito raro uma traição por parte deles. Quando o fazem, mesmo que seja só em pensamento, sentem-se tão culpados que acabam se auto-punindo. Por outro lado, se for traído, ele não deixará impune. Ou termina tudo, ou paga na mesma moeda.

    Quais as diferenças entre os X-Men dos quadrinhos e os do cinema?

    Quem nunca tinha lido uma HQ dos X-Men e decidiu fazê-lo depois de assistir ao primeiro filme deve ter estranhado bastante. Na telona, os produtores modificaram as origens dos personagens, para que a história fluísse melhor. Por isso, alguns mutantes estão bem diferentes.

    Quando Stan Lee (texto) e Jack Kirby (arte) lançaram a revista, em 1963, os X-Men, sempre liderados pelo Professor Xavier, eram Ciclope, Garota Marvel (Jean Grey), Anjo, Fera e Homem de Gelo. A HQ chegou ao Brasil em 1968, pela GEP - Gráfica Editora Penteado, com uma curiosidade: para completar o número de páginas da revista, artistas nacionais criaram histórias curtas com os personagens.

    No longa-metragem de estréia, o grupo é formado por Ciclope, Jean Grey, Tempestade, Wolverine e Vampira.

    Nos gibis, os três últimos só entraram no time anos depois dos primeiros. Ou seja, apenas o mentor da equipe e os dois primeiros são X-Men "originais".


    X-Men originais

    Fonte: Coleção 100 Respostas - Super-Heróis (Mundo Estranho) 2004

    VIVER É SEGUIR O
    CAMINHO DA EVOLUÇÃO
    INFINITA.


    Na verdade, todas as pessoas continuam vivendo mesmo após a morte do corpo físico. E já viviam antes de ter nascido neste mundo. O verdadeiro ser humano vive eternamente, pois é filho de Deus, perfeito e maravilhoso. E nasce neste mundo para manifestar ao máximo a perfeição original.

    Do livro Quero Conhecer a Verdade – Seicho Taniguchi