quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Dor Oculta


Quando uma nuvem nômade destila
Gotas, roçando a crista azul da serra,
Umas brincam na relva; outras tranqüila,
Serenamente entranham-se na terra.

E a gente fala da gotinha que erra
De folha em folha e, trêmula cintila,
Mas nem se lembra da que o solo encerra,
Da que ficou no coração da argila!

Quanta gente, que zomba do desgosto
Mudo, da angústia que não molha o rosto
E que não tomba, em gotas, pelo chão,

Havia de chorar, se adivinhasse
Que há lágrimas que correm pela face
E outras que rolam pelo coração!

Guilherme de Almeida


Outra flor no jardim:
A VIDA VALE A PENA