terça-feira, 20 de dezembro de 2011

XIV


ME FALTA tempo para celebrar teus cabelos.
Um por um devo contá-los e louvá-los:
outros amantes querem viver com certos olhos,
eu só quero ser penteador de teus cabelos.

Na Itália te batizaram Medusa
pela encrespada e alta luz de tua cabeleira.
Eu te chamo brejeira minha e emaranhada:
meu coração conhece as portas de teu pêlo.

Quando tu te extraviares em teus próprios cabelos,
não me esqueças, lembra-te que te amo,
não me deixes perdido ir sem tua cabeleira

pelo mundo sombrio de todos os caminhos
que só sombra, transitórias dores,
até que o sol suba à torre de teu pêlo.

Pablo Neruda
Cem Sonetos de Amor
Manhã

L&PM Pocket
julho de 2011