terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

LXIII


Não só pelas ruas desertas onde a pedra salina
é como a rosa única, é flor pelo amor enterrada,
andei; mas pela margem de rios que cortam a neve.
As amargas alturas das cordilheiras conhecem meus passos.

Emaranhada, silvante região de minha pátria selvagem,
lianas cujo beijo mortal se encadeia na selva,
lamento molhado da ave que surge lançando seus calafrios,

oh região de perdidas dores e pranto inclemente!
Não só são meus a pele venenosa do cobre
ou o salitre estendido como estátua jazente e nevada,
mas a vinha, a cerejeira premiada pela primavera,

são meus, e eu pertenço como átomo negro
às áridas terras e à luz do outono nas uvas,
a esta pátria metálica elevada por torres de neve.


Pablo Neruda
Cem Sonetos de Amor
Tarde

L&PM Pocket
julho de 2011


um mês...