quarta-feira, 1 de julho de 2009

Biblioteca FOLHA

RUBEM FONSECA

O Caso Morel

(1973)


2003

O artista de vanguarda Paul Morel, preso por um crime violento que ele próprio não sabe se cometeu, resolve escrever um livro contando sua vida. Para isso, pede ajuda ao escritor e ex-delegado Vilela, a quem entrega trechos do manuscrito à medida que vai escrevendo.
O Caso Morel intercala o relato do prisioneiro - repleto de orgias e de reflexões irônicas sobra a arte e a cultura de nosso tempo - com seus desencantados diálogos com Vilela, uma espécie de alter ego de Rubem Fonseca, que havia surgido em A Coleira do Cão (1965) e reapareceria depois em diversos contos e romances do escritor, especialmente em A Grande Arte (1983).
Publicado em 1973, O Caso Morel é o primeiro romance de Rubem Fonseca e contém todos os elementos que fariam dele um dos escritores mais influentes da literatura brasileira das últimas três décadas. A narrativa veloz, incisiva, a observação aguda do lado mais obscuro do comportamento humano, o hábil domínio dos diálogos, a presença da violência sob todas as sua formas - física, psicológica, moral -, o trânsito frequente entre o registro culto e o popular, o exame implacável das contradições sociais, tudo isso faz deste livro um dos grandes romances policiais de nossa época e uma das obras mais fortes de um autor obcecado pelas pulsões básicas do homem: sexo e morte.

JOSÉ GERALDO COUTO
Colunista da Folha

(189 págs.)