terça-feira, 14 de julho de 2009

Biblioteca FOLHA

GRACILIANO
RAMOS


Angústia

(1936)



2003

Quando Angústia foi publicado, em 1936, a maior parte da crítica não foi capaz de perceber o inusitado da obra. O texto provocava estranhamento no leitor e não se amoldava à objetividade da literatura regionalista da época. O próprio Graciliano Ramos julgava seu romance "desagradável", um "solilóquio doido", "enervante" e "mal escrito".
A linguagem é breve, sintética e concisa, marca inconfundível do autor. O amor possessivo do funcionário decatente Luís da Silva pela vizinha Marina, ao lado da rivalidade doentia com Julião Tavares (em tudo mais potente e superior que seu agressor), montam uma trama que entrelaça o psicológico e o social. O leitor acompanha, em compasso de crescente tensão, a experiência delirante de um criminoso e o processo minucioso da gênese desse crime. Na prisão, movido pela necessidade de confessar, o narrador se empenha na escritura de um livro e através dele procede a uma auto-análise.
Passados quase setenta anos da recepção inicial, Angústia se afirma como um marco na literatura brasileira e na trajetória do autor. Seria mesmo difícil, nos anos 30, legitimar essa escrita compulsiva, dominada pelo fluxo interno de pensamentos, lembranças e afetos do narrador-protagonista Luís da Silva. O resultado é uma narrativa imersa em clima de sonho, ou melhor, de pesadelo, banhada por alucinações, vivências sexuais reprimidas e desejos sádicos obsessivos. O mundo relatado em Angústia é estreito e sufocante, mas o alcance literário da obra se expande, ainda hoje, para além dos limites da crítica.


YUDITH ROSENBAUM
Professora de literatura brasileira na USP
e colaboradora da Folha

(222 págs.)