quinta-feira, 23 de julho de 2009

Biblioteca FOLHA

MARIO VARGAS
LLOSA


Pantaleón e
as Visitadoras


(1973)



2003

Pantaleón e as Visitadoras é um livro safado. E não apenas pelas safadezas de seu ardido enredo. Militar exemplar, estilo Ordem & Progresso, o capitão Pantaleón Pantoja recebe uma missão de importância capital para sua pátria: montar um serviço de "visitadoras" para os soldados que, isolados em guarnições perdidas na transpirante Amazônia peruana, vinham se transformando em estrupadores em série.
Na organização desse delivery de moças de fino trato, Pantita topa com ossos duros de roer: a igreja tacanha, a imprensa sensacionalista, uma burocracia de fazer corar Kafka e, desafio maior, uma morena apelidada de Brasileira.
Romance com o qual Vargas Llosa, em suas próprias palavras, "descobriu o humor", Pantaleón finta toda essa coleção de arcaísmos latino-americanos com a leveza de um passarinho. Com um texto ágil, mas que incorpora recursos narrativos sofisticados, o escritor peruano consegue neste livro publicado há trinta anos algo semelhante aos dribles de Mané Garrincha. É divertido, mas contundente; parece simples, mas tem um grande engenho; deixa qualquer leitor estatelado no chão. Romance de pernas tortas, Pantaleón é definitivamente um livro safado.


CASSIANO ELEK MACHADO
Repórter da Folha "Ilustrada"

(255 págs.)