segunda-feira, 6 de abril de 2009

De A a Z

O mais triste dos heróis

A série do Surfista Prateado mostrou como as HQs podem refletir sobre a condição humana

Por Jota Silvestre

O Surfista estreou em 1966 como coadjuvante numa história do Quarteto Fantástico, quando os heróis enfrentaram o poderoso alienígena Galactus, que pretendia absorver a energia da Terra. Consta que o herói prateado nem aparecia no argumento original de Stan Lee e que foi sugerido por Jack Kirby, que achava necessária a presença de um arauto do Devorador de Mundos. Assim, surgiu o Surfista Prateado, herói que virou símbolo de HQs poéticas graças às suas histórias dramáticas e tristes.
O personagem estreou em Fantastic Four 48 (vol. 1) no arco de HQs conhecido com A Trilogia Galactus. A história começa com uma série de estranhos fenômenos provocados pelo alienígena Vigia que, rompendo uma tradição de não interferência, tenta ocultar o planeta Terra da iminente destruição. Mas isso não é suficiente para evitar a chegada do Surfista Prateado, que tem a missão de preparar terreno para a vinda de seu mestre. O Surfista é confrontando pelo Quarteto e entra em contato com a garota cega Alicia Masters, que o faz recuperar sua compaixão e se voltar contra Galactus, que é vencido e forçado a deixar a Terra. Mas, como vingança, cria uma barreira cósmica invisível que impede o Surfista de deixar nosso planeta.
O personagem ganhou título próprio em setembro de 1968 e lá teve sua origem revelada: ele era Norrin Radd, habitante de Zenn-La, que se ofereceu como arauto de Galactus para salvar seu planeta.


Silver Surfer 1 (ago/68)