segunda-feira, 12 de março de 2012

XCVII


HÁ que voar neste tempo, aonde?
Sem asas, sem avião, voar sem dúvida:
já os passos passaram sem remédio,
não alçaram os pés do passageiro.

Há que voar a cada instante como
as águias, as moscas e os dias,
há que vencer os olhos de Saturno
e estabelecer ali novos sinos.

Já não bastam sapatos nem caminhos,
já não servem a terra aos errantes,
já cruzaram a noite as raízes,

e tu aparecerás em outra estrela
determinadamente transitória
por fim em papoula convertida.


Pablo Neruda
Cem Sonetos de Amor
Noite

L&PM Pocket
julho de 2011

imagem: True Art Gallery
Artist: Tina Spratt