sábado, 31 de janeiro de 2009

Polaridade

Agora, temos a polaridade. Você já deve ter ouvido falar do Yin e Yang. Eles são uma noção mais lógica das duas forças que regem o mundo: positivo e negativo. Nossa cultura cristã acostumou-se a tentar banir o mal, a sombra de tudo o que é luz. Essa sombra foi por séculos mal vista - e ainda é - vítima de propaganda negativa (sem trocadilhos). Como a Ciência demonstrou no estudo do átomo e dos elétrons, o mundo precisa das duas polaridades. O mal, então, sofre uma releitura mais inteligente e transforma-se em negativo, simplesmente o outro pólo do positivo. Juntos, eles se complementam e fazem a roda girar.

Este é o símbolo que estamos acostumados a ver no Yin/Yang. O yin é o pólo negativo, feminino, intuitivo, passivo. É a noite, a Lua, o sonho. O yang é o pólo positivo, masculino, racional, ativo. É o dia, o Sol, a ação. Precisamos dos dois e todos temos os dois pólos dentro de nós. Algumas vertentes creditam às mulheres o Yin e aos homens o yang, mas é um erro. Homens e mulheres possuem as duas polaridades. Há homens mais yin que yang, e mulheres mais yang que yin (e isso nada tem a ver com opções sexuais).


No caso da Astrologia Chinesa, é importante que notemos a polaridade do signo e do ano, porque podemos ficar mais atentos às tendências. Algumas dessas tendências são negativas - yin - e podem ser interpretadas como o lado mais sombrio (tanto do animal, quanto do ano).