segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

AO PERDOAR O PRÓXIMO,
NÓS PRÓPRIOS
NOS LIBERTAMOS.


A tendência das pessoas é nutrir ódio ou rancor contra aqueles que lhes causaram mal, enganando-as ou traindo-as. Mas é nessas horas que devemos nos esforçar em não guardar rancor nem ódio e orar pela felicidade daquele que nos injuriou. Assim, nós nos libertamos dos grilhões de amargura e sofrimento e alcançamos um estado espiritual de plena liberdade e alegria.

Do livro Kami no Kuni wa Doko ni Aruka – Seicho Taniguchi