sexta-feira, 29 de abril de 2011

IMPRIMINDO A LENDA...



A HISTÓRIA DO UNIVERSO DC sempre foi um gibi difícil de se explicar. A princípio, foi concebida para ser as edições 11 e 12 de CRISE NAS INFINITAS TERRAS, quando CRISE estava programada para ter apenas dez edições em vez das doze que acabou tendo. Para aqueles interessados em trivialidades históricas, a série CRISE foi anunciada, num primeiro momento, em um editorial da DC como "A História do Universo DC".
O propósito original da narrativa era ser um epílogo para a Crise. Naquela maxissérie, nós apanhamos 50 anos de história da editora e, dependendo de seu ponto de vista, destruímos completamente a DC ou demos a ela um novo começo. Felizmente, uma vez que os fãs e profissionais escolheram Crise como o segundo melhor gibi do Século 20, eu gosto de pensar que nós ajudamos a parir os próximos 50 anos da DC, e não enterrá-los. Assim que Crise chegou ao fim, eu sabia que precisariamos contar aos leitores que heróis e mundos ainda viviam e quais haviam sido destinados às profundezas ensacadas de sua coleções. No entanto, como fazer isso era a questão. Quando criança, eu adorava a série de livros da Time-Life, quer abordassem o Velho Oeste, a Segunda Guerra Mundial, ou como explicavam as supertições do mundo. Eram livros de arte com texto em quantidade suficiente para lhe conferir o conhecimento básico sobre um tema sem sobrecarregar demais. Sob muitos aspectos, eram livros de texto para os olhos, não para a mente. Uma vez que eu queria, antes de mais nada, um belo gibi para se contemplar, achei que essa abordagem seria perfeita para uma visão geral do novo Universo DC. Com esse propósito, só havia uma pessoa indicada para desenhá-la.
George Pérez ainda estava ilustrando Crise quando sugeri tornar HISTÓRIA um gibi isolado. Depois de desenhar 79 quadros por página em CRISE, ilustrar duas ou três cenas seria uma forma de agradecer a George. E, depois do planejamento muito detalhado e esquematizado que havia sido Crise, redigir algumas palavras aqui e ali para História seria um mimo para mim mesmo.
Ao menos, esse era o plano.
A HISTÓRIA DO UNIVERSO DC foi um pesadelo para se escrever, talvez o projeto mais difícil em que já trabalhei.
Vamos ignorar os cinco anos de detalhada pesquisa que tornou possível este gibi e atacar as fofocas sórdidas sobre as quais eu sei que você prefere ler. No dia seguinte ao que terminei de redigir Crise, eu sai de férias para uma longa viagem pela Europa. Quando voltei, pretendia começar a escrever História.
Mais uma vez, esse era o plano.
Eu não lembro do por que, mas George precisava começar História antes do esperado, o que significava que, em vez de escrever um roteiro completo como pretendia, tive de escrever uma versão-esboço da trama. George desenharia, e eu então meteria os diálogos. Na boa, eu pensei. Era assim que nós havíamos trabalhado em Novos Titãs e Crise. Eu voltei das férias e decidi me mudar de Nova York para a ensolarada Los Angeles, bem a tempo de perder as neves do inverno. Então, enquanto George realizava sua mágica habitual, eu me encontrava sentado a sós no chão de uma casa sem móveis (o caminhão de mudanças ainda não havia chegado), encostado na parede, digitando sem parar no meu laptop.
Ainda assim, aquela era apenas uma incoveniência desconfortável, não um proverbial pesadelo.
Uma vez que História era um gibi histórico, era vital que eu redigisse as informações necessárias e depois deixasse George desenhar ao redor de textos já compostos e diagramados.
Lembre-se: esse era o plano.
O que eu não levei em conta era que, com George desenhando as páginas antes, eu teria de redigir a história muito complexa da DC no espaço que sobrasse pra mim. Isso significava que eu precisaria, às vezes, escrever muito mais do que pretendia - para preencher uma área em branco muito grande - ou bolar como redigir parágrafos informativos num espaço que só me permitiria digitar um máximo de, sei lá, dez palavras.
Felizmente, em 90% do tempo, George fez escolhas corretas e me deixou exatamente o espaço de que eu necessitava. No entanto, às vezes, eu acabava sentado no chão, traduzindo polegadas em paicas e calculando exatamente quantas letras se encaixariam no espaço de uns três centímetros de altura por oito de largura, depois tentando dizer o que era preciso naquele espaço, tornando-o não só informativo, mas - assim eu esperava - legível e divertido. História acabou sendo menos uma questão de redação e mais um lance de digitação torturante avançada.
Ainda assim, quando vi o resultado final, percebi que havíamos cumprido nosso dever. Para o bem ou para o mal, minha redação disse o que era necessário e a ilustração de George foi, como sempre, magnífica.
A HISTÓRIA DO UNIVERSO DC foi publicada em 1986. Como era de se esperar, a história da DC não parou de ser escrita depois que esse gibi chegou às prateleiras. Continuou a mudar e a evoluir. Muito do que foi escrito naquela época não é mais válido, mas foi a história da DC em determinado momento e ainda tem seu valor como realização que, como a Crise que a tornou necessária, merece ser visitada. Eu posso não ter gostado o tempo todo do processo de redigi-la, mas acho que você vai se divertir com a sua leitura.

-Marv Wolfman
7 de novembro de 2001

Crisis on Infinite Earths 1-A
Comic Book by DC, Apr 1985


Fonte:
A HISTÓRIA DO UNIVERSO DC
MAIO 2009
Págs. 3 e 4