terça-feira, 26 de abril de 2011

TALENTOS MÚLTIPLOS

São muitos os exemplos de gênios multidisciplinares ao longo da história

Muito antes de Cristo, Aristóteles abordava assuntos relacionados a física, metafísica, poesia, teatro, música, lógica, retórica, governo, ética, biologia e zoologia. No campo das Ciências Bilógicas, algumas de suas observações só foram postas à prova no século 19. Foi ele também quem fez o primeiro estudo formal sobre lógica e até hoje é objeto de estudos acadêmicos devido ao alcance de suas ideias e reflexões.
Leonardo Da Vinci, um gênio em vários campos, atuou em áreas tão distintas que a citação aqui seria impossível. Mais conhecido como o pintor de Mona Lisa, Da Vinci foi também um preciso anatomista, realizando estudos sobre músculos, esqueleto, órgãos internos etc. Além de engenheiro e inventor, sendo um dos primeiros a estudar o voo, também percorreu áreas como música, urbanismo, escultura, estratégia militar etc.
Apesar de o Renascimento favorecer a especialização com o acúmulo de conhecimento, a multidisciplinaridade continuava a fascinar pensadores como o inglês Isaac Newton. Além de descrever a gravitação universal e fundamentar as leis da mecânica, Newton também foi teólogo, alquimista, matemático e filósofo.
Um dos líderes do romantismo alemão, Johann Wolfgang Goethe, escreveu romances, autobiografia, peças de teatro e reflexões sobre arte e literatura. Também se destacou nas Ciências Naturais quando elaborou uma Teoria das Cores, em oposição à de Newton, e pesquisou sobre botânica e mineralogia.
O Brasil também tem seus gênios em vários campos, como Santos Dumont, o aeronauta e inventor, que também se aventurou pelo esporte, praticando alpinismo e automobilismo. Além dele, o sambista e compositor de Na boca da noite, Paulo Vanzolini, é um notável zoólogo.


POR FRANCILENE OLIVEIRA


Fonte da imagem: Té la mà Maria - Reus


Fonte: revista da cultura - edição 41 - dezembro de 2010
UMA PUBLICAÇÃO DA LIVRARIA CULTURA