domingo, 14 de junho de 2009

CELLY CAMPELLO



Biografia

Célia Campelo Gomes Chacon (Celly Campello, São Paulo, 18/06/42) apresenta-se ao vivo pela primeira vez aos seis anos, cantando em um programa de auditório da Rádio Cacique, em Taubaté (SP). Aos doze, começa a apresentar seu próprio programa de rádio.
A estréia no vinil acontece em 58, com "Handsome Boy", no lado B de "Forgive Me", compacto do irmão Tony Campello.
"Estúpido Cupido" - versão de Fred Jorge para "Stupid Cupid", de Neil Sedaka e H. Greenfield -, lado B do terceiro compacto da cantora, estoura nas rádios em março de 59. Ainda nesse ano, passa a apresentar ao lado do irmão o programa Crush Em Hi-Fi, na TV Record.
Emplacando vários hits entre 59 e 62 - "Banho de Lua", "Broto Legal" e "Túnel do Amor", entre outros - Celly vira a "namoradinha do Brasil" e primeira estrela do rock nacional, em sua fase pré-jovem guarda. Participa ainda de dois filmes - Jeca Tatu (59) e Zé do Periquito (60).
Em 62, Celly se casa e abandona a carreira.
Nos anos 70, tenta voltar à cena musical várias vezes. Consegue um breve sucesso em 76, na época da novela Estúpido Cupido.

Frases

"Foi um escândalo quando coloquei calça comprida. Na época, só se usava em piqueniques."

"Larguei tudo no auge da carreira e não me arrependo. O amor foi mais forte."

"Fui a imagem do que as meninas queriam ser, usava as roupas que elas queriam usar."

"Se eu fosse mais esperta, teria me transformado na Xuxa dos anos 60."
(Celly Campello)


  • LPs
  • Estúpido Cupido (59)
  • Broto Certinho (60)
  • A Bonequinha Que Canta (60)
  • Os Campeões Do Sucesso (coletânea, 60)
  • A Graça de Celly e as Músicas de Paul Anka (61)
  • Brotinho Encantador (61)
  • Em Dia Com O Sucesso (coletânea, 61)
  • Juventude Espetacular (coletânea, 61)
  • Avant-Première Vol.4 (coletânea, 61)
  • Noite De Natal Cheia de Estrelas (coletânea, 61)
  • Os Grandes Sucessos De Celly Campello (coletânea, 62)
  • Hebe Comanda O Espetáculo (coletânea, 62)
  • Em Dia Com o Sucesso Vol.2 (coletânea, 62)
  • Celly Campello (68)
  • Anos 60 (coletânea, 73)
  • Tony E Celly (coletânea, 76)
  • Celly Campello (76)
  • Celly Campello/Disco de Ouro (coletânea, 81)


  • Filmes
  • Jeca Tatu (59), de Milton Amaral;
  • Zé do Periquito (60), de Mazzaropi e Ismar Porto


  • Livro
  • Rock Brasileiro 1955-65, de Albert Pavão