quarta-feira, 4 de abril de 2012

Dossiê VINGADORES - Anos 70

Avengers (1963) 89-A
Comic Book by Marvel, Jun 1971

Mais do que nunca, eles estão em alta e fazem jus ao título de "Heróis mais poderosos da Terra". Conheça diversas curiosidades e as principais mudanças ocorridas nos Vingadores ao longo de quatro décadas

Dossiê VINGADORES - Anos 70

Uma fase
memorável

Roy Thomas, Neal Adams, George Pérez, Jim Shooter, John Byrne... Nos anos 70, os Vingadores estavam em ótimas mãos

Por Benedito Nicolau

Foi uma década com algumas das melhores histórias do supergrupo, muitas das quais tornaram-se peças fundamentais da mitologia dos heróis. Talvez a mais relevante seja a Guerra Kree-Skrull, escrita por Roy Thomas e desenhada por Neal Adams e Sal Buscema em 1971. Numa simples HQ, Thomas conseguiu abordar temas complexos como xenofobia, preconceito, autoritarismo e política, ao mesmo tempo em que mantinha a cota de ação que tanto fazia sucesso entre os leitores da Marvel. A história narra a disputa milenar entre alienígenas que utilizam a Terra como palco para suas batalhas. A saga durou de Avengers 89 a 97 e trouxe momentos inesquecíveis como a viagem do Homem-Formiga pelo interior do corpo do sintozóide Visão. Recentemente este trabalho foi publicado pela Panini em forma de encadernado.

Avengers (1963) 97-A
Comic Book by Marvel, Mar 1972

Influenciado pelo crescimento do feminismo, o roteirista Roy Thomas havia criado antes um curioso arco de histórias a partir de Avengers 83 (dezembro de 1970) quando a heroína Valkíria liderou uma versão dos Vingadores formada exclusivamente por mulheres. Com o nome de Liberators, o grupo era composto por Medusa, Viúva Negra, Vespa e Feiticeira Escarlate.

Avengers (1963) 83-A 
Comic Book by Marvel, Dec 1970

Pouco tempo depois, em Avengers 85 (fevereiro de 1971), Thomas criou o Esquadrão Supremo, grupo de heróis de outra dimensão, que os Vingadores enfrentaram diversas vezes ao longo dos anos. Hoje o Esquadrão Supremo ganhou uma releitura realista e moderna, que virou sucesso de crítica e ganhou revista própria (Supreme Power), cujas histórias são publicadas no Brasil em Marvel Max, da Panini.

Avengers (1963) 85-A 
Comic Book by Marvel, Feb 1971

Supreme Power (2003) 1-A 
Comic Book by Max, Oct 2003

Com a saída de Thomas, Steve Englehart assumiu os roteiros em 1973 e deu início a uma nova fase dos Vingadores com sagas mais cósmicas, como a iniciada em Avengers 112, que envolver Kang, o Conquistador e Immortus. Entre outras coisas, a trama revelou que o corpo do Visão é uma reconstrução feita pelo vilão Ultron do antigo Tocha Humana, o andróide da década de 40 e membro do grupo Invasores. A saga finaliza com dois casamentos: o primeiro entre o Visão e a Feiticeira Escarlate, e o segundo entre o Espadachim e Mantis.

Avengers (1963) 112-A 
Comic Book by Marvel, Jun 1973

Giant-Size Avengers 4-A 
Comic Book by Marvel, Jun 1975

A fase de Englehart também marca a estreia do então jovem desenhista George Pérez que assumiu em 1975 (Avengers 141) o lápis da revista pela primeira vez, mas com resultado aquém do seu talento. Anos mais tarde, Pérez culpou o trabalho do veterano arte-finalista Vince Colleta pelo fraco resultado de suas HQs. Segundo o ilustrador, Colleta melhorava o desenho de artistas medianos, mas, para aqueles com traços mais detalhado - caso de Pérez -, ocorria uma perda de qualidade muito grande.

Avengers (1963) 141-A 
Comic Book by Marvel, Nov 1975

Outro roteirista que participou da revista dos Vingadores no período foi o controverso Jim Shooter. Considerado por muitos um escritor genial e um editor detestável, Shooter foi responsável por grandes histórias desenhadas por George Pérez (dessa vez, com arte-finalista à altura). Um bom exemplo é a HQ publicada em Avengers 162 (agosto de 1977) em que o vilão Ultron transfere a mente de Janet Van Dyne, a Vespa, para Jocasta, companheira robótica idealizada por ele. Nesse arco, existe uma espécie de referência ao mito de Édipo: Ultron tenta destruir seu "pai" Henry Pym e ficar com sua "mãe" Janet Van Dyne.

Avengers (1963) 162-A 
Comic Book by Marvel, Aug 1977

Em parceria no roteiro com David Michelinie e desenhos de Pérez, Shooter produziu também a Saga de Korvac. O arco foi publicado entre Avengers 167 e 177 (janeiro a novembro de 1977) e mostra como o personagem Korvac conseguiu poderes que o tornavam praticamente um Deus. A partir daí, ele tenta transformar o universo numa utopia e é confrontado não só pelos Vingadores, mas pelas principais entidades cósmicas do universo.

Avengers (1963) 167-A 
Comic Book by Marvel, Jan 1978

Na Trilogia Nefária, Shooter contou com desenhos de John Byrne - numa fase muito criativa, aliás - para mostrar como o vilão Conde Nefária ganhou superpoderes que o tornam um verdadeiro Super-Homem. Assim, ele parte para um combate com os Vingadores, e espanta o grupo ao mostrar que pode enfrentar de igual para igual Thor, Visão, Magnum e os demais integrantes. Com o passar dos anos, essa trilogia tornou-se cult entre os fãs dos Vingadores. Publicado entre Avengers 164 e 166 (outubro a dezembro de 1977), esse material saiu recentemente em um encadernado editado pela Panini.

Avengers (1963) 166-A 
Comic Book by Marvel, Dec 1977

O personagem Henry Peter Gyrich, oficial de ligação do Conselho de Segurança Nacional dos Estado Unidos da América, foi um personagem muito representativo do período. Com ele, Shooter "politizou" as histórias dos Vingadores, Gyrich representava o governo americano que decidiu controlar onde e quando os Vingadores podiam agir. Fora isso, havia a intenção de limitar os integrantes e criar cotas para negros e mulheres no grupo. Como resultado, aflorou a tensão entre Gyrich e os Vingadores. Recentemente, a maxissérie Guerra Civil voltou a explorar o assunto e se aprofundou bem mais na complexa questão.

Avengers (1963) 181-A 
Comic Book by Marvel, Mar 1979

Civil War 1-B 
Comic Book by Marvel, Jul 2006

MUNDO DOS SUPER-HERÓIS - 7
págs. 22-23

novembro/dezembro de 2007
EDITORA EUROPA