quinta-feira, 31 de outubro de 2013

A LIGA EXTRAORDINÁRIA

(DC/WildStorm, 1999 até o presente)

The League of Extraordinary Gentlemen (1999) 3-A
Comic Book by America's Best Comics
Jun 1999

O maior sucesso da linha ABC, a Liga reúne alguns dos personagens literários favoritos de Moore, entre eles o aventureiro Allan Quatermain, Mina Harker, de Drácula, de Bram Stoker, Dr. Jekyl e Mr. Hyde, o Homem Invisível e o Capitão Nemo, numa super equipe que protegia Londres muito antes dos heróis fantasiados aparecerem.

Depois de enfrentar o arqui inimigo de Sherlock Holmes, o professor James Moriarty, decidido a destruir Londres, e um impiedoso chefão oriental do crime no estilo Fu Manchu, a Liga teve uma sequencia em que enfrenta marcianos, numa homenagem à Guerra dos Mundos, de H.G. Wells.

A Liga era uma ideia antiga que estava na minha cabeça desde meados dos anos 90. A intenção de combinar personagens da literatura numa só história acabou se tornando muito divertida em vários aspectos.

Tomei como base as equipes de super-heróis, que, na minha opinião, não funcionam na maior parte das vezes. Mas imaginei o que poderia fazer se retrocedesse no tempo, para o final da era vitoriana. Comecei a pensar como faria para reunir um grupo de personagens daquela época e quem seriam eles.

Allan Quatermain foi uma das primeiras escolhas, pois sempre me atraiu por ser um personagem imperfeito, no sentido de que não é particularmente corajoso, nem mesmo no livro original de H. Rider Haggard, As Minas do Rei Salomão. Como ele quase certamente é a fonte de inspiração para todos os heróis de aventuras que vieram depois, como Indiana Jones ou Lara Croft, tornou-se uma escolha natural.

O Capitão Nemo, como o primeiro herói e vilão tecnológico, era outro que deveria ser incluído. O Dr. Jekyll, Mr. Hyde e o Homem Invisível eram quase autoexplicativos. Ou seja, eram tão fascinantes visualmente que teria sido um crime deixá-los de fora.

Fiquei um tanto perplexo quando tentei encontrar uma mulher para a equipe, pois precisava de alguém para criar uma certa química. Mas os vitorianos tinham uma opinião bastante desfavorável em relação ao sexo feminino. Por isso, não existiram grandes heroínas na ficção daquele período.

Originalmente, pensei em Irene Adler, a única mulher que Sherlock Holmes amou. Mas ela era muito obscura. A menos que você seja fissurado em Arthur Conan Doyle, nunca terá ouvido falar nela. Mina Harker, em contrapartida, tinha sido retratada em Drácula como sendo um novo tipo de mulher, embora fosse, na maior parte do tempo, uma vítima.

Pensei muito a respeito e decidi que, depois dos eventos do livro de Bram Stoker, ela poderia ter sofrido uma completa mudança em sua personalidade. Achei que, se "adiantássemos a fita" alguns meses, encontraríamos uma personagem bem diferente.

Contudo, foi extremamente divertido fazer a Liga, e é o único título da linha ABC que pretendo continuar.

Fonte: Wizard Brasil 5 - Fevereiro de 2004.